8 de julho de 2017

PESSOAS PARECIDAS? SÓ DÁ ROLO...



     -Tais Luso
Meu marido tem um irmão muito parecido com ele – fisicamente. Estávamos no supermercado, quando uma senhora chegou, puxou-lhe o braço e o cumprimentou, muito saudosa. Fez uma festa. Dois beijinhos pra lá, dois pra cá.
– Quanto tempo que não nos vemos, meu amigo!
Eu estava por perto e notei que Pedro não estava entendendo nada. Perdido, passou a desconfiar de sua memória: quem seria aquela mulher? Estava atrapalhado, poderia ser uma  antiga cliente, uma colega da faculdade... E dizer que não a conhecia seria o mesmo que dizer: você mudou muito e não a conheço!
Percebi, era mais um dos tantos equívocos que acontece com ele. Mas como mulher vive mudando os cabelos, emagrece, engorda, estica e corta tudo... a coisa fica delicada. 
Aproximei-me para falar com ele, e essa senhora ficou a me olhar, meio surpresa: eu não era a mulher que ela conhecia! Senti isso em seu rosto. Ficou surpresa quando apareci! Seria eu a segunda? Éramos um trio em francas desilusões. Piorou tudo quando ela me perguntou onde seria, esse ano,  o ‘Festival do Queijo’, e quando iríamos! 
 Ué,  o que tinha eu a ver com um festival do queijo naquele encontro? Lá sabia eu sobre queijo!! E comecei a divagar tentando adivinhar onde a mulher queria chegar. Mas não demorou muito para ela me dizer:
– Pois é, vocês nunca mais me convidaram para irmos ao festival!
Na tentativa de salvar o Pedro (mais confuso ficou com o tal queijo), resolvi logo a história...
– Mas não faltará oportunidade! – disse eu  vamos combinar!
Sei que dei o tiro de misericórdia, mas era tarde para remendar as coisas, para dizer que nunca a vi na vida e não iria a festival algum. Ou conserta-se o mal entendido no começo, para não deixar a história tomar corpo, ou leva-se o equívoco adiante e aguenta-se o tranco. Mas como Pedro não guarda muito as fisionomias, a lagarta virou uma centopeia de 100 pernas. E ficamos no nhenhenhe...nada fechava com nada. A essas alturas seria tarde  dizer-lhe que Pedro não era o irmão e que eu era casada com Pedro!!
Fui colocar as coisas no carrinho, ao regressar a mulher tinha sumido do supermercado. Deve ter achado  o ‘casal’ muito estranho, não lembravam da inesquecível viagem para o festival do queijo de anos atrás. Imperdoável!
Estive pensando em Pedro deixar crescer a barba ou cavanhaque...alguma coisa que pudesse evitar esses mal-entendidos. Mas recebi um ‘negativo’!
Tudo isso por ter um irmão muito parecido...Imagino se fossem gêmeos! Mas histórias do cotidiano são assim, tudo meio atrapalhado, quando poderia ser bem mais fácil.


____________________________________


51 comentários:

  1. rssssss... Que situação!! E acontece mesmo! Wu nem precisa a pessoa ser parecida, já confundo b.... com funda,rs

    beijos praianos e adorei te ler!

    ResponderExcluir
  2. Boa noite Tais.
    Rsrs, você é mesmo incrível. Suas cronicas mesmo relatando algo não é tão simples quando duas pessoas são parecidas, nós fizeram cair na risada. Imagino a fisionomia do Pedro. É amiga ficaram em uma situação delicada. Graças a Deus o irmão de Pedro é gente boa, e ela não tem nada contra. Imagine se não fosse assim. Meus dois amorezinhos são gêmeos idênticos. Na semana passada um dos gêmeos o Lucas se trancou no quarto de Santy e destruir toda a maquiagem da minha filha. Graças a Deus eu não sou de reclamar com eles, e fui calmamente na sala e olhando para o outro gêmeos o Gui falei que foi feio fazer isso, e o pobre do meu amorzinho me escutou calado, e so depois eu percebi que era Gui e falei meu amor não é com você, e olhei para Lucas e ele estava com cinco anos achando graça e foi nesse momento que percebi como sera dificil para Gui. Mas eu fui o abracei e o enchei de beijos. Eu nunca tinha trocado eles, são idênticos mas quem convive sempre sabem os diferenciar. Eu particularmente sei porque Gui e doce e amoroso e Lucas é menos. É mesmo rodo quando existe duas pessoas parecidas ou idênticas. Acho que se o Pedro estivesse com barba, não adiantaria muito, ela iria dizer agora você está de barba rsrs. Um feliz domingo para vocês. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. A sua crónica está hilariante e muito divertida, mas de facto, deve ter sido uma situação deveras embaraçosa...
    Apreciei muito a leitura, querida Amiga.
    Dias muito aprazíveis.
    Grande abraço.
    ~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  4. Taís,
    Sei exatamente como é isso, sofro na pele. Primeiro, tenho que dizer que sou tímido, não consigo ativar minha empatia com desconhecidos. Fico parado sem saber onde olhar ou por as mãos.
    Agora vem o problema. Parece que meu rosto é “padrão”, isto é, se parece com o rosto de muita gente. Na maior parte de minha vida fui aeronauta e, como tal, viajei muito por este Brasil a fora. Pois bem, em quase todas as cidades que pernoitei, sempre ocorreu encontro com alguém que me “conhecia” de outras paragens, para meu terror.
    Uma das vezes foi em Manaus. Estávamos, um colega de trabalho e eu, entrando num restaurante para almoçar, quando levantou-se um cidadão da sua mesa e veio me cumprimentar. Abraçou-me com entusiasmo ao tempo que falava as coisas de praxe num reencontro: “Puxa, quanto tempo” “O que faz por aqui?” e coisas do gênero. Eu estático, embaraçado, com cara de paisagem, não sabia o que dizer. Além de tudo havia gente na mesa dele acenando para mim. Constrangedor. Saímos rapidamente do restaurante e fomos comer um sanduíche na lanchonete ao lado.
    Semana passada eu ia saindo aqui do edifício, um carinha atravessou a rua e veio conversar comigo na maior intimidade, mas não tenho a menor ideia de quem é ele.
    PS – Tenho a impressão que já coloquei este comentário num outro post teu. Se for isso, peço mil desculpas.

    ResponderExcluir
  5. Querida amiga Taís.

    Essas situações são tragédias e cômicas,não é?

    Ri muito com sua crônica! Você é imbatível nelas!
    Engraçado você até chegar a pensar ser a segunda!
    Já passei por situação semelhante,mas me confundiram com minha irmã e eu fiquei no mesmo impasse:será que conheço e não lembro?

    Bem,amiga.

    Adoro seu espaço e o coloquei na minha lista de "Blogs a Visitar',à direita do meu,com seu nome ao lado.Daí recebo suas atualizações,novos posts.


    Obrigada pelas visitas e um fim de semana de Paz Profunda

    Beijos sabor carinho

    Donetzka

    Blog Magia de Donetzka

    ResponderExcluir
  6. Há situações que ficamos "de saia justa". Encontrar com alguém que se aproxima tão amigavelmente e não reconhecermos é muito ruim. A situação de vocês chega a ser cômica, pois ninguém falava coisa com coisa.
    Bom domingo. bjs

    ResponderExcluir
  7. Boa noite Tais
    Irmãos parecidos é uma coisa, irmãos iguais outra. Aconteceu a mim, ter irmãs gêmeas; até certa altura, ainda que juntas só a minha mãe as sabia distinguir. Nessa altura, não foi raro, o meu pai ou os irmãos mais velhos, eu incluído: eu não sou a Regina, eu sou a Neves. Acresce ainda que no baptizado o nomes que a minha tinha estipulado a cada uma, foi trocado.
    Mais, mais tarde, de vez quando ia a um baile, numa aldeia a cerca de 10 Km da minha, lá pontuavam sempre duas irmãs gêmeas também, tão iguais, que convidar uma para a próxima dança, era correr o risco de se ficar depois com os olhas em bico, para acertar com a convidada.
    Queria deixar dito o seguinte: Brasil - O Sorriso de Deus, já está na Editora Chiado, e fazendo parte do contrato, a distribuição no Brasil. Sendo que a Editora Chiado, também está em São Paulo. Entretanto a saga Brasil tem continuação em novo livro que, já tem postado o primeiro capítulo de, BRASIL - O PAIS DO FUTURO.
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. "Festival do Queijo"... Dizem que o queijo é bom para a memória... (risos)... Imagino o que essa "dona" não deve ter pensado de toda essa situação... A fofoca correrá solta, na certa!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Quando duas pessoas são parecidas acontecem por vezes situações como essa.
    Uma colega minha tem uma irmã gémea e diz que é muito frequente as confundirem...
    Bom domingo
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  10. Bom dia amiga! Vim retribuir sua visita e o comentário que deixou, sempre engrandecendo a postagem. Serás sempre bem vinda ao meu cantinho, volte sempre.
    Amei o seu post, muito interessante o ocorrido e fiquei a imaginar que fossem gêmeos, mas não são. Acontece.

    Tenha um domingo feliz e um início de semana na paz, com muita saúde e felicidade. Abraços, Lourdes Duarte
    https://professoralourdesduarte.blogspot.com.br/
    http://filosofandonavidaproflourdes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Embaraçoso mas nada que não se resolva!
    Bj

    ResponderExcluir
  12. É muito interessante mesmo Taís!
    Eu e minha irmã somos bem parecidas e muitas vezes as pessoas se enganam,mas eu acho ótimo ser parecida com ela.rs
    Adorei a crônica.
    Bjs e um ótimo final de domingo.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  13. Oi Taís
    É uma situação bastante delicada mas em alguns momentos da sua narrativa eu tive de rir. Imagine que eles são parecidos. Na minha família tenho sobrinhos trigêmeos idênticos. É cada situação! Algumas chegam a ser hilárias
    Uma semana Iluminada
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Amiga Tais, muito boa a crônica, imagino a cara do seu marido, rsrs, pois é, confundem, muitas pessoas são distraídas e cobradoras, aí colocam muitos em "saia justa"!
    Que bom que há isso, pois aqui rende bom conto hilário!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  15. Mas é cada uma que acontece né Tais?
    Daqui lendo e imaginando a cena com seus olhares entre ciúmes e risos da atrapalhada e meu pobre amigo Pedro sem saber o que fazer. Esta coisa já me aconteceu depois de longos anos fora de minha cidade Natal numa volta com uma sobrinha num mercado as pessoas me cumprimentavam e minha sobrinha rindo porque eu não sabia de quem se tratava.
    Muito boa esta com toque de humor que voce belamente passa.
    Bom fim de domingo e que a paz possa estar presente numa nova semana.
    Abraços.
    Bjs de paz amiga.

    ResponderExcluir
  16. Adoro as suas crônicas Taís, posso dizer que elas me ajudam a me distrair em um tempo de adversidades. Acho que muitas vezes nós todos passamos por esse tipo de situação, são coisas da vida rsrs
    Tenha uma excelente semana!!

    ResponderExcluir
  17. Taisinha, pois é mais um caso que se passou comigo, em razão do meu irmão ser parecido comigo, que contas com arte e leveza nessa excelente crônica. Essa senhora que falou comigo pensava estar falando com meu irmão, com quem parece ter grande intimidade, como depreendemos pelos fatos ocorridos, e aquela queixa da senhora por (ele) não ter mais feito o convite para a "Festa do Queijo" (ela falava comigo como se estivesse falando com o meu irmão). Esqueceste, Taisinha, de contar que ela também se queixou por não termos (meu irmão e a mulher dele) viajado mais para o Uruguai. Parabéns.
    Um beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rss, devo ter esquecido mais algumas coisas, só lembro que a situação estava difícil...Tu me arranjas cada uma!
      Lembro de uma ocasião que uma senhora não acreditou, achou que estavas mentindo.rs
      Beijinho!

      Excluir
  18. Você me fez rir bastante, e fiquei com pena da situação enfrentada pelo Pedro e a fofoca que vai rolar para o irmão dele.
    Eu não sei o que acontece comigo, mas quando saio as pessoas me olham duas vezes, como se me reconhecessem e chegam a dar um sorriso, só que tenho boa memoria visual e a certeza de que não as conheço, mas qualquer dia vou parar uma delas e perguntar: - Você me conhece? Por quê minha curiosidade quanto a isso já está extrapolando o limite. Sua crônica ficou sensacional, parabéns.
    beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  19. Há situações destas muito embaraçosas e outras que se tornam divertidas.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  20. Sempre engraçada a forma como conta as coisas... Uma crónica excelente! Realmente as pessoas parecidas prestam-se a grandes equívocos...
    Uma boa semana, minha Amiga Tais.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  21. Realmente, cara amiga Tais, semelhança física pode dar rolo. Eu já passei por confusões do tipo, principalmente em relação a pessoas gêmeas.
    Um abração. Tenhas uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  22. Mais uma vez nos presenteias com uma bela crônica. Eu, particularmente, agiria da seguinte forma:

    -Acho que está havendo um pequeno engano senhora. talvez a senhora esteja me confundindo com fulano, meu irmão, que se parece muito comigo. E, assim, resolvida a questão. Rsrs.

    Beijos e uma ótima semana para ti e para os teus.

    Furtado



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsss, isso já foi feito inúmeras vezes, Furtado! Algumas vezes acreditam e se desculpam; outras não! Essa veio com tudo, com toda a certeza! Foi embaraçado. rss
      Coisas da vida...até hilárias.
      Beijo, amigo. Ótima semana também.

      Excluir
  23. Que crônica legal e muito divertida, estou rindo horrores rsrsrsrsrsrsrs, beijos!

    ResponderExcluir
  24. Fiquei curioso a saber qual é o irmão, visto que conheço poucos deles. Minha mãe, que tinha um pouquinho de sangue cigano, dizia que quem puxa aos seus não degenerou. Mas ela dizia isso com tanto orgulho que nunca entendi direito, a não ser a parte leonina dela em defender a família como um todo. Eu acho bacana essa semelhança. Parece-me que os laços afetivos e de segurança seriam mais forte. Bela crônica! Parabéns! Abraços. Laerte.

    ResponderExcluir
  25. Olá, querida Taís.

    De facto esta sua crónica do quotidiano, não deixa de ter o quê de hilariante...agora! Creio que, no momento, deve ter sido um pouco constrangedora essa situação. Sobretudo para a senhora que, conhecendo o irmão do Pedro, desconhecia a sua existência. Os tais insólitos da vida real. :)

    Lembrei-me de, há muitos anos, uma amiga, infelizmente já falecida, me ter dito algo idêntico que me fez estranhar, pois nunca pensei ter uma sósia, natural da região autónoma da Madeira. Pois essa amiga, durante um internamento hospitalar num hospital da capital, conheceu lá uma senhora , também ela internada, tão parecida comigo, como duas gotas de água. Estranho...será que meu pai andou por lá? Nunca o soube!

    Um beijinho, querida Amiga.

    ResponderExcluir
  26. Boa tarde minha querida amiga, desculpe tamanha ausencia.. mas dei uma desanimada, e parei um pouco,, vou aos poucos retornando aqui,,, sobre teu escrito ,,, nem fale srs eu passo isso com meu irmaõ..
    e olha que sou cabeludo, ele tb era mas não mais hj... falam da voz igual, de tudo,, e somos tri diferentes.. as pessoas meio miopes srs só pode srs bjs minha doce amiga.. não esqueço vc não viu paz e bem

    ResponderExcluir
  27. Boa tarde, querida Tais.
    Que situação constrangedora esta, em sua crônica. Eu já iria rapidamente desfazer o mal entendido, pois isso já aconteceu conosco em uma praia e foi desconsolador, pois confundimos a irmã gêmea de uma professora de nossa cidade e achávamos que ela estava com outro marido rsssssssssssssss. Ela é que veio elucidar a situação ,pois estava caótica.Parabéns pela sua crônica. Beijos

    ResponderExcluir
  28. Parabéns, pelo jogo de cintura Tais! Não sei se outras mulheres em semelhante situação, teria mantido essa calma que você mostrou ter! Beijos!

    ResponderExcluir
  29. Pois é amiga gente parecida por vezes dá confusão.

    Uma senhora garantia à m/irmã que todos os dias me via

    com uma criança num determinado sítio, que eu não frequentava.

    Não sei então quem será parecido comigo, e espero que a senhora

    tenha acreditado naquilo que a m/irmã lhe disse.

    Há cada situação.

    Bjs. e votos de que se encontre bem.
    Irene Alves


    e também não tinha criança alguma.

    ResponderExcluir
  30. Bela crônica, Taís. Talvez não tenha nenhuma relação com o seu belo texto, mas me lembrei de S. Francisco que chamava todo o mundo de irmão. Tais situações servem pelo menos para quebrar, algumas vezes, a monotonia da vida e ficarmos a rir do inesperado da situação.
    Abraços,

    ResponderExcluir
  31. Boa noite Taís, menina esse episódio acontece muito em família que tem gêmeos, um encontro hilário essa sua história, será que ela se deu conta do mico que pagou? hehehe!!
    Noite de Paz, desejo!

    bjss!

    ResponderExcluir
  32. Sei como é isso, meu namorado tem um irmão que é a cara dele e confesso que eu já abracei o irmão dele kkkk quase morri de vergonha.

    Corre lá no My Life que ta rolando a Promoção 101 e não é bicho de sete cabeças, basta indicar um blog para assim nos inteirarmos mais na blogsfera. Cola lá para entender melhor.
    Abraço!
    https://mylife-rapha.blogspot.com.br/2017/07/101-blogs.html

    ResponderExcluir
  33. Pois é Taís....Já passei por várias situações dessas; e
    quando se usa barba bigode e óculos. então.....nem faz idéia
    a quantidade de "convites para o Festival do Queijo" que aparecem.
    Além disso, também indo para velhos, a coisa se complica.
    Gostei....Mais uma....
    Beijo

    ResponderExcluir
  34. Muitas vezes acontece sem ser irmãos, mas que confusão!
    A mim confundiram-me com o cantor espanhol José Luis Perales. Venha, venha, que está aqui JLP....
    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  35. Taís:
    una historia divertida para ser contada después. Pero en esos momentos se pasa mal, porque no sabes si seguir la corriente o decir simplemente: me ha confundido usted con otro, jajaja.
    A mí me han sacado parecido con... "Juan Luis Guerra, el cantante de "ojalá llueva café en el campo..."
    Abraços.

    ResponderExcluir
  36. Amiga/Escritora, Taís Luso !
    Conheço bem esses constrangimentos, por
    situação idêntica a do teu marido.
    Imagina meu irmão, Delegado de Polícia...
    Um fraterno abraço e parabéns pelo belo
    texto.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  37. Olá! No fundo é tão engraçado né. Amei a história, muito leve e divertida. beijos

    ResponderExcluir
  38. Boa tarde, Taís
    Me diverti lendo a sua crônica.
    Que saia justa, hein?

    Agradeço a gentil visitinha por lá.
    Deixo um abraço apertadinho e o meu carinho
    Verena e Bichinhos.

    ResponderExcluir
  39. Olá Taís,
    Já aconteceu comigo duas vezes comigo. Que vergonha!
    Amanhã vou escrever uma poesia ou conto, depois de amanhã: vou falar da carne vermelha. Não sei se ainda tem a edição desses dois livros, mas darei os créditos completo.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  40. Em tempos eu e minha irmã éramos muito parecidas. Mudámos tanto que hoje nem parecemos irmãs.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  41. Tais hola!!...no imaginas lo que he reído con situación embarazosa que les tocó pasar, las persona si que cambiamos con el tiempo obviamente, y si perdemos el contacto siempre guarda le memoria la última imagen de determinados conocidos aún pasen los años y luego sucede lo inesperado nos volvemos a encontrar después de unos años y ..sorpresa no sabemos quien es y la otra persona nos confunde con quien sabe con quien...
    Abrazo
    Gran crónica
    Bonito fin de semana

    ResponderExcluir
  42. Mais vale ficar vermelho uma vez do que amarelo toda a vida...
    Ou seja, se não esclarecemos logo o equívoco, a história pode complicar-se muito.
    Mas achei muita graça à situação. Só queria ter visto a cena...
    Taís, um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  43. Imaginando a cara da pessoa... imaginando coisa... se por um acaso do destino se cruzar com o irmão de Pedro, por estes dias... e a esposa... :-D
    Impossível não sorrir, enquanto fui lendo a sua crónica, Tais!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderExcluir
  44. Gostei da experiência contada aqui, rsss! É cada uma, né?! Faço ideia do atrapalho e risos depois... Rendeu um belo post!...

    Um abraço e bom fim de semana...

    ResponderExcluir
  45. Mais uma daquelas crônicas que só tu sabes contar! Quase gargalhei! No meu caso, não sei se aguentaria o encontro sem esclarecer as coisas, ser-me-ia difícil conseguir sair airosa da situação. Assim, os parabéns não são só para a excelente narração, são também para a tua habilidade situacional.
    Bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tinha o que clarear, isso acontece muitas vezes, inclusive com homens ir chegando e cumprimentando, como se fosse o irmão.
      Beijo, amiga!

      Excluir
  46. uma crónica bem escrita, que embora real, não deixa de ser humorística
    sem falta de respeito estou a rir com vontade
    beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  47. Uma situação delicada e difícil, mas vejo que você, Tais, saiu-se muito bem. Agora, vocês não terem convidado a amiga para o Festival do Queijo, foi imperdoável... se fosse comigo, hoje seríamos inimigos, pois eu adoro queijos, ainda mais um festival ahaha... morrendo de rir Tais.

    ResponderExcluir
  48. Querida Taís, desculpe a demora para vir retribuir sua visita e o comentário que deixou. Tentei outras vezes mas não abria, bloqueava, acredito que a net aqui muito lenta.
    Amei sua postagem e como eu tenho gêmios idênticos sei bem como essas coisas acontecem. Parabéns pelo seu blog, postagens maravilhosas. Seja sempre bem vinda! Abraços, Elza Interaminense, bibliotecária.

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Este blog 'não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos'. Meu e-mail está na guia superior, faça contato.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso