26 de dezembro de 2016

MEU CABELO, MINHA VIDA...




         - Taís Luso

      Ontem foi um dia de cão. E não estava no meu esquema. Na verdade fui só renovar minha carteira de Habilitação. Coisa básica. Mas é sempre uma tortura tirar uma fotinho sem qualidade nos computadores dos centros de habilitação para motoristas. Me enchi de coragem, olhei pra máquina e...
       — Espera moço!! Posso fazer um sorriso discreto, o rosto ficará mais leve...
       — Não; não pode mostrar os dentes, senhora...
Mostrar os dentes?? Credo, que coisa primitiva. Falei que estava pensando num sorriso estilo Monalisa, aquela coisa enigmática… e de boca fechada. Mas a criatura não entendeu nada, deve ter confundido Monalisa com marca de bolacha, compota de pêssego… Mas achei melhor deixar assim. Explicar quem foi Monalisa confundiria a cabeça do rapaz. Ele não esperou e clicou o botão da máquina, com gosto, sem piedade.
       Olhei a foto…
       — Que coisa horrorooosa!!! — disse isso, e nada mais.
Cheguei em casa e me olhei no espelho sem pena de mim. Talvez meu cabelo meio comprido não tivesse ajudado na foto. Ou talvez preconceito com a tal máquina, endureci a cara, sei lá. Odeio fotos 3 por 4 - me levam 10 anos de vida útil.
No dia seguinte resolvi ir ao Salão para cortar as melenas! Um corte mais curto, de acordo com meu tipo.
       — Tens certeza que é esse corte, Taís ? - perguntou a cabeleireira.
       — Sim, igual a essa foto Quero bem assim, amiga!
Ela estava cortando um pouco rápido, mas eu estava confiando. Acabado o corte, saí do salão pior do que cachorro em procissão: apavorada! Não quis discutir com a criatura o tanto que ela errou, mesmo porque eu nunca mais voltaria lá. Cheguei em casa, fui ao espelho e desandei a rir Depois me indignei, pois fiquei com cara de travesti. E não tem outro jeito senão esperar uns dois meses para que o cabelo atinja um tamanho mais ou menos decente. Mas uma pergunta que não quer calar: como sairei de casa? E a reação da minha família? E a cara dos conhecidos? Meu   Deus... Deus meu!
     Deixei a dramaticidade de lado, e pensei nas mulheres de Atenas e suas melenas; pensei nas mulheres de Burca… Eu precisava pensar em alguma coisa mais forte  para sobreviver. E encontrei uma solução temporária, embora quente e desagradável: achei no Google um maravilhoso turbanteTá provado o tamanho do estrago: dois meses de turbante marroquino num verão tropical! Mas irei atrás.

Foto da Internet




48 comentários:

  1. Taís,adorei a crônica e ri muito,pois lembrei quando fui renovar o meu RG,mal sentei a pessoa que estava escrevendo disse:Olhe para esse ponto,olhei e rapidamente foi tirada a foto,não preciso lhe dizer como saí na foto,estou parecendo a bruxa do 74 que é o nº do meu apto.rs
    Aproveito amiga para lhe desejar um Feliz Ano Novo,repleto de grandes realizações.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  2. Acróstico

    O cabelo nunca será um mero acessório
    Como um vestido que troca-se todo dia
    Acontece que a cabeça é um território
    Bendito, que sinceramente, quem diria
    Espera-se que seja muito satisfatório
    Longe de cortes ousados como alegoria
    Ou que gere das “comadres”, palavrório.

    ResponderExcluir
  3. E vem aí dentro de dias 2017; oxalá que seja menos mau do que este 2016 felizmente prestes a acabar. E junto o desejo de que o novo traga muita saúde, paz, amor e solidariedade.

    Henrique, o Leãozão

    ResponderExcluir
  4. Cara amiga Tais, tirando o sofrimento advindo dos contratempos de vossa narração, vossos leitores se regalarão com esta excelente cronica. Esta cronica dá um curta metragem. Já estou imaginando o Jorge Furtado trabalhando nela.
    Um abração. Tenhas uma linda semana, apesar do calor intenso que está a nos visitar aqui em Poa.

    ResponderExcluir
  5. Tu és muito engraçada,Taís e sempre saio daqui leve... Esses cabelos nos aprontam,né? Ou somos nós que aprontamos?rs... Imaginei muiiiiiito bem a cena!!! ADOREI!

    beijos, FELIZ 2017 e muitas inspirações que nos façam rir e ficar bem, como sempre aqui! chica

    ResponderExcluir
  6. Vai lançar moda, Tais, isso sim! Diga que foi o seu personal stylist que a orientou... Padrão 2017!
    Olhe só rindo e muito...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Taisinha, como está na tua excelente crônica, toda essa história começou mesmo com a fatídica carteira de habilitação, quando tiveste de enfrentar aquela máquina de tirar retrato, que, para os tempos modernos, parece ultrapassada, pois a tua fotografia que saiu dali tinha pouca coisa de tua fisionomia; daí o teu estado de nervos quando viste todo aquele estrago. E foi por causa desse estragado que resolveste cortar o cabelo... Tudo o que aconteceu naquele dia está dito nesse teu desabafo. Agora é esperar crescer o cabelo, com a ajuda de todos os turbantes que compraste. 
     Beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  8. Ah Taís, li sorrindo do inicio ao fim.
    Voce é bem humorada menina e creio que não ficou feio assim o modelito travesti,kkkkk
    Mas relata bem sobre a foto do Detran.
    Mas por falar em turbante tem uns lindos mesmo. Vi numa praia uma moça ensinando como fazer um torço,kkk quem sabe é uma saida?
    Muito boa sua cronica amiga e aproveito para agradecer a companhia nestes anos e agora com o Pedro é sempre agregador passar por aqui.
    Muito obrigado e um feliz novo ano de verdade.
    Um abração amiga e tudo de bom para voces.
    Bjs de paz

    ResponderExcluir
  9. Passei para uma visitinha.
    Um ótimo conto, muito bem humorado... sempre há uma saída para tudo... mesmo para um corte de cabelo que não gostamos!...

    ✧ه° ·.

    Que o menino Jesus faça morada no seu coração
    em todos os dias de 2017!


    FELIZ ANO NOVO!!!

    ResponderExcluir
  10. Querida Taís
    Para quem está de fora e apenas lê a crónica... é motivo para boas gargalhadas.
    Mas sei o que é viver esse "drama" de tirar foto naquelas máquinas horrorosas!
    Custa a entender porque é que, em fotos ditas "oficiais" temos que ficar com cara de pau :(((
    O pior de tudo foi teres pensado que o problema estava nos cabelos (quando ele estava apenas na máquina das fotos...)
    A solução do turbante até que não é má de todo... :))) para cá era até muito boa; com o frio que estamos atravessando dava até muito jeito!
    Minha querida, cabelo cresce rápido, mas foto na carteira de Habilitação... só quando tiver que ser renovada... (podes chamar-me amiga da onça, eu mereço...)

    E agora que o Natal passou... desejo que tenhas uma excelente passagem de ano, e um 2017 pleno de felicidade.

    Votos de uma semana muito feliz.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
  11. rsrsrs...
    Isso é porque você nunca viu minha foto do passaporte. Fui de blusa branca, e não podia. Me emprestaram um blaser masculino marrom, com ombreiras. Pareço o Superman com diarréia.

    ResponderExcluir
  12. E tudo começou com a renovação da carteira de Habilitação, gostei bastante desta magnifica crónica minha amiga.
    Um abraço e Boas Festas.
    Andarilhar

    ResponderExcluir
  13. Turbante marroquino, Tais?!... melhor que burka, sem dúvida! mas ainda assim perigoso...

    porque não as "mulheres de Atenas" e suas melenas? parecem-me bem mais agradáveis e solenes.

    calorosos votos de Bom Ano, agradecendo e retribuindo a gentileza

    beijo

    ResponderExcluir
  14. E sua crónica me remeteu para o meu bilhete de identidade que tem uma foto bem assim... pavorosa... pois até foi tirada pela máquina quando eu ainda me estava ajeitando... agora vou ficar a olhar aquela desgraça uma porção de tempo... :-(
    Valha-nos as suas crónicas, Tais! Pelo menos aqui, encontro solidariedade para com o meu caso bem idêntico... :-D Para além de me deixarem um sorriso de orelha a orelha...
    Beijos! Continuação de Festas Felizes!
    Ana

    ResponderExcluir
  15. Taí Taís, não a vi de cabelo de "cabelo rente" e gostei. E acho que se você se mostrar de cabelo cortado, todos os leitores vão virar o rosto... para te ver melhor (risos). E se não se mostra, vamos pensar que a cronista é uma fingidora, finge tão completamente...
    Brincadeira à parte, Taís, está deliciosa a sua crônica. Quanta verve, quanto humor. E a minha carteira de motorista que também está vencendo. Vê minha cara de tristeza para enfrentar as filas...
    Também aproveito para agradecer o teu olhar generoso, as tuas incursões "pela minha casa", sempre bem-vinda. E, claro, aproveito também para desejar-lhe um Ano Novo sem palpitações e muitas realizações.

    Beijos, minha querida amiga,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rss Obrigada, José Carlos!...Fernando Pessoa, que maravilha!
      Não posso deixar de completar o primeiro verso...

      O poeta é um fingidor.
      Finge tão completamente
      Que chega a fingir que é dor
      A dor que deveras sente.


      Beijos.

      Excluir
    2. Duas razões para voltar: o teu comentário em meu blog com a discrição (risos) de dizer-me que tinha resposta e a esperança de encontrar o teu rosto de cabelo rente (ainda incipiente) depois da tesoura "obcecada" da cabeleireira (risos), aqui para a nossa admiração.
      Taís, antes que você bata com os punhos na mesa (risos), me antecipo: brinco porque os seus cabelos não são os meus... (risos).
      Espero o seu beneplácito para a brincadeira...
      Beijos,

      Excluir
  16. Boa noite minha linda amiga Tais.
    Antes de mais nada. A minha filha fez um face para mim. Estou ainda é engatinhando. Não sei muito como usar. Enfim com o tempo espero aprender. Agora falando da sua crónica. É maravilhoso a sua forma de expressão. Sinto tanto amiga mas morrir de rir. Não dá sua frustação ou incompetências da cabeleireira. Mas da sua linda forma de aceitação. Eu um dia a muito tempo passado um médico chegou para mim e disse não acho que vai lhe curar, talvez nada adiante. Mas se permitir vamos testar um tratamento. Nada adiantou passei três dias sofrendo muito. Mas enfim me sentir feliz por não ter perdido o meu cabelo. Coisa fútil. Mas na época eu faça falou a aparência. Uns dias depois da alta fui lavar meu cabelo e a metade ficou nas minhas mãos. Olhei e lembrei da minha mãe ao dizer vai os ames e fica os dedos rsrs. Com alguns meses o meu cabelo voltou a crescer. Espero que logo os seus cabelos cresçam e você fique Alegre por isso. Mas sempre lembre você é linda e a sua forma de ser é a sua marca. A aparecia deve ser menos importante. Mas nós mulheres damos importância a aparência. É coisa de melhores e a nossa vaidade rsrs. Com certeza você é linda de qualquer jeito porque a verdadeira beleza de uma mulher se ver pelos olhos de uma mulher de caráter. Uma linda semana. Beijão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida amiga, vai crescer, sim, não costumo acreditar em cabelereira, mas não sei o que deu na mulher. Cortou tudo errado, muito baixo. Há anos que eu cortava naquele salão. O que penso hoje, é que ela não sabe cortar cabelo mais curto, é 8 ou 80. E o salão é muito bom, tem várias moças, vários serviços. Mas já me conformei, em dois meses, talvez um pouco antes, estará de tamanho razoavel. Como disse a Célia, acima, farei moda! Ainda bem que iremos para a Serra. Amanhã comprarrei um mousse, ficará com mais volume e do jeito que eu deixar, vamos ver. Fiquei muito chateada, sim, mas já absorvi o dano, ando fazendo uns turbantes até legais. A gente aprende com os erros, principalmente dos outros. Cabelo curto, nunca mais! A gente fica sem chance nenhuma de criação.
      Beijo, obrigada, querida.

      Excluir
  17. Hay solución para todo, jajaja.
    Muy bien, Tais.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  18. Querida amiga.
    O que eu me ri! Que narrativa tão divertida e hilariante!
    Quando era menina e não gostava do corte de cabelo, vovó dizia:
    - Não te preocupes querida, o cabelo é um bem de raíz.
    O consolo era mínimo, mas sempre era algum...
    Turbante no verão, Taís, só com ar condicionado!
    Daqui a uns dias vai estar mais adaptada ao novo visual e curta
    toda a frescura do cabelo curto.
    Dias resignados e plácidos.
    Beijos de ótima amizade.
    ~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  19. Me has recordado mi última foto de pasaporte, que entre que no me dejaron sonreír, que me pusieron el pelo detrás de las orejas salí para matar como se dice.
    ¡FELIZ AÑO NUEVO!! con buenas crónicas

    ResponderExcluir
  20. Taís por vezes acontece mas como não gosto de me ver com turbante...usaria um gorro!
    Bom Ano para si e sua família!!!

    ResponderExcluir
  21. Los sustos que producen los cambios, afortunadamente, duran poco tiempo aunque éste puede ser tan intenso como el que nos haas descrito.
    Todos hemos pasado por ese tipo de cuestiones. A medida que he ido adquiriendo años, rechazaba muchas fotos que, para mi sorpresa, encontraba bien cuando habían transcurrido algunos años.

    Es verdad que las fotos de carnet nos aterran con una realidad que desconocemos de nosotros mismos y que siembran dudas que nos aturden. En cuanto a las peluqueras...es exactamente lo que me pasa siempre que me corto el pelo. "el corte de las puntas" es siempre de varios centímetros, por más que insisto todavía no he conseguido que me hagan caso. Sin embargo, "mal de muchos..."

    Un abrazo. Franziska

    ResponderExcluir
  22. Tais
    Será assim que começam os modismos muitas vezes. Possivelmente a cabeleira é mestre e terá pensado: "aqui está a cliente especial, para ensaiar uma nova "grife"".
    Desejo um Novo Ano Feliz.

    ResponderExcluir
  23. Oi Taís, essa semana vou renovar a carteira, jura que nem vou olhar a foto, pois da outra vez deu-me uma crise se riso que não parava mais, tirei o óculos para a foto. Mama mia , fiquei tão feia, apesar de não ser fotogênica, mas desse jeito é demais. Todos da delegacia riam das minhas gargalhadas, chegou o delegado, conhecido entrou na dança da minha gargalhada.
    Tudo bem, não tenho 25 anos, mas com essa cara da pra fazer cartazes e assaltar,kkk
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  24. Nem volte mais a este salão. eu só corto o mesmo corte e sempre no mesmo lugar para não acontecer coisas assim, um dia estragaram meu cabelo e demorou muito pra ele crescer. Muito legal o seu blog!

    ResponderExcluir
  25. Tais minha querida
    Não consegui conter o riso diante do seu drama minha querida mas você delineia o fato com tanta veracidade e propriedade que tive a impressão de estar vendo o seu desespero. Com certeza você lançar moda com este novo estilo minha amiga
    E pense... dois meses vão voar e logo estará exibindo novamente suas lindas madeixas.
    Um beijo com meu carinho

    ResponderExcluir
  26. Querida Taís
    Que o ano de 2017 seja um manancial de vitórias e conquistas
    Desejo que tudo o que há de melhor esteja reservado para você
    Beijos

    ResponderExcluir
  27. Sempre uma delícia ler as tuas crónicas! Nesta, o sorriso saiu muito fácil.
    Revi-me quando tenho que renovar cartões. Tens razão: um horror!
    Também prezo muito o meu cabelo mas tenho que me habituar a que ele vá perdendo densidade, como está a acontecer.
    Vá, olha bem para este novo visual. Quem sabe se não aprendes a gostar!
    Hum, agrada-me a ideia do turbante. :)
    Bjo, Tais
    Se não voltar aqui, desejo um 2017 com as maiores venturas.

    ResponderExcluir
  28. Tais, Tais... eu me divirto aqui. Adoro as suas verdades tão nossas!!!

    Também odeio foto 3x4 e câmaras fotográficas no geral não lidam bem comigo. Para completar meu filho é fotógrafo. Pode???

    Amiga querida, vim te desejar um 2017 repleto de boas energias. Saúde, paz e alegria. Obrigada pelo carinho de sempre no Palavras, obrigada por nos brindar com suas crônicas maravilhosas!!!! Um dia ainda vamos tomar um café juntas e rir muito dos nossos casos.

    Bjo grande

    Leila Rodrigues

    ResponderExcluir
  29. Boa noite minha querida amiga..
    eu sumido, pois ainda corrido com o trabalho, mas paro amanha até dia 15 srs
    poxa isso da foto me lembrou sempre que tenho de renovar algo,.
    eu poeta com uma baita assinatura, nos documentos fica uma porcaria srs e eles nao me deixam arrumar..
    foto a mesma coisa..
    ultima que bati para o tal titulo digital.. nao prestou pra nada
    só perdi meu tempo.. na hora da votação, até minha foto estava lá..
    mas os dedos nao serviram pra nada srs tive de assinar o nome ainda pq nao aparecia a digital srs
    beijos meus e obrigado por tudo..
    que tenhas um lindo final de ano e um novo ano melhor ainda
    paz e bem Tais

    ResponderExcluir
  30. Olá, Tais, bom dia...adorei a crônica, engraçado que estes dias estava olhando a minha identidade,que foi renovada o ano passado, e a minha foto também foi tirada assim, o cara clicou sem dó e sem esperar nada,nem um possívelsorriso enigmático. Não sou vaidoso, mas se tem algo que cuido d+ são os meus cabelos.Estou com a mesma "cortadora", há décadas já!...taí uma boa ideia, o turbante! Parabéns pela crônica!
    sim,estou em pausa, mas vim agradecer pelo carinho da companhia interativa em 2016, que , com certeza, será renovada para o próximo ano, que está logo alí! Meus desejos de um ano de 2017, muita sauuuúde, paz, amor, luz, alegrias e realizações!
    Belos dias,beijos!T+

    ResponderExcluir
  31. Viva 2016!

    Em 2016 houve fato fabuloso sim, apesar de Vanessa Grazziotin falar que não, dessa forma assim:

    "O ano de 2016 é, sem dúvida, daqueles que dificilmente será esquecido. Ficará marcado na história pelos acontecimentos negativos ocorridos no Brasil e no mundo. Esse é o sentimento das pessoas", diz Grazziotin.

    Mas, por outro lado, nem que seja apenas 1 fato positivo houve sim! É claro! Mesmo que seja, somente e só, um ato notável, de êxito. Extraordinário. Onde a sociedade se mostrou. Divino. Que ficará na história para sempre, para o início de um horizonte progressista do Brasil, na vida cultural, na artística, na esfera política, e na econômica.
    Que jamais será esquecido tal nascer dos anos a partir de 2016, apontando para frente. Ano em orientação à alta-cultura. Acontecimento esse verdadeiramente um marco histórico prodigioso. Tal ação acorrida em 2016 ocasionou o triunfo sobre a incompetência. Incrementando sim o Brasil em direção a modernidade, a reformas e mudanças positivas e progressistas. Enfim: admirável.

    Qual foi, afinal, essa ação sui-generis?

    Tal fato luminoso foi o:

    -- «Tchau querida!»*

    [(*) a «Coração Valente©» do João Santana; criada, estimulada e consumida. Uma espécie de Danoninho© 'vale por um bifinho'. ATENÇÃO: eu disse Jo-ã-o SAN-TA-NA].


    Eis aí um momento progressista, no ano de 2016. Sem PeTê. Chega de po**a-louquice.

    A volta de decoro ao Brasil.

    Feliz 2017 a todos.

    ResponderExcluir
  32. Boa tarde, querida Tais,
    sem tirar o valor de sua crônica é muito divertida, porém nos relata um fato corriqueiro, penso que muitas de nós já passamos por esta situação de fazer chorar. Creio, com certeza que você ficará belíssima em seu turbante, ficará estilosa. Tens porte para tais mudanças, e o tempo está voando, quando perceber, já era seu cabelo curto.....Tais, desejo a você e família que 2017 seja repleto de bençãos! Beijos!

    ResponderExcluir
  33. De turbante...? Se fosse em Portugal (na minha região a temperatura tem variado entre os 0º e os 14 ºC), a coisa passaria despercebida, mas com o calor que faz por aí até estou com pena da Taís... rsrsrs...
    Os meus sinceros votos de um FELIZ ANO NOVO, extensivo aos teus familiares, querida amiga Taís.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  34. Como disse a nossa amiga, Mariazita, o cabelo cresce, o pior são os documentos que ficam connosco por muito tempo. O que me aborrece a mim não são as fotos 3/4 que eram tiradas nos fotógrafos e até ficavam mais ou menos, mas agora, com os documentos digitais as fotos são tiradas lá mesmo nas respectivas repartições com uma maquininha esquisita manipulada pelo próprio funcionário; estas sim, ficam horriveis, parecemos bandidos assustados quando são fotografados a entarem nas cadeias. Mas...enfim...tem de ser! Venho hoje aqui para te deixar um grande abraço e nele os meus desejos de saúde, paz e alegria para todos vós, não só agora, mas sempre. Um novo ano vai começar, mas, amiga, novas fotografias teremos de tirar, novos cortes de cabelo faremos, novas desilusões teremos; precisamos é de animo e coragem para aceitarmos o que vier da melhor maneira possivel. Que consigas tudo isso, Tais e o meu muito obrigada pelo carinho que tenho recebido
    Abraço amigo.
    Emilia

    ResponderExcluir
  35. Que historia é essa que não pode sorrir na foto pra documento? Trabalho na emissão de identidade e não tem isso não. Mania que esses fotógrafos tem de dizer isso. Não pode tirar a foto de óculos escuros na cara, boné, turbante, ai sim não pode não, esconder os traços fisionômicos. Mas mostrar em toda sua naturalidade e graça. Outra coisa, que mania de vocês que cisma com fotos 3 X 4. Na identidade mesmo, se confundir, chamar a pessoa errada, estamos em apuros, será a ofensa das ofensas, pode estar na foto a miss Brasil, que você sempre serão mais bonitas. Adoro suas cronicas Tais, recheadas com seu humor apurado. Feliz Ano Novo. Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fábio! Aqui não pode sorrir, não! E nem tirar foto com óculos - apesar de eu dirigir com óculos. E isso não dá para entender. Temos vários 'Brasil' nesse continente. E vale para as fotos da RG, motorista e título de eleitor. Nunca consegui tirar uma fotinho decente. Obrigada pelo comentário, querido amigo. Um ótimo ano!

      Excluir
  36. Uma cronica bem real. Caso resolvido.
    Obrigado pela amizade deste ano! Vamos continuar na nossa caminhada e quando chegar ao fim de 2017 que possamos dizer que foi o melhor.
    Feliz Ano Novo.
    Bjs e abraços

    ResponderExcluir
  37. ¡Caramba Tais!
    Hace menos de un año renové mi licencia de conducir, y la foto que me sacaron es lo más parecida a un monstruo, pero no me inquieta.Claro que en todo tiempo de su vida, para una mujer, una foto desafortunada resulta inquietante.

    Feliz 2017, amiga.

    ResponderExcluir
  38. Não acredito que o estrago tenha sido assim tão grande, ainda por cima numa senhora que há-de ser sempre bonita com cabelo curto ou comprido! Mas deu uma bela crónica!

    Venho desejar-lhe um excelente 2017!
    Que traga tudo de bom e...rápido, rápido, o seu cabelinho!
    Beijinhos:)

    ResponderExcluir
  39. KKKKKK, Nada que um bom lenço não resolva...ainda bem que cabelos crescem!!!
    Encontrei a FELICIDADE e ela me disse que ia pra sua casa. Pedi que ela levasse também a SAÚDE e o AMOR. Trata eles bem, vão em meu nome. Feliz Ano Novo!.

    ResponderExcluir
  40. >> mais um comentário: Um ano de 2017 de paz, amor, saúde, sabedoria, boa vontade, fé, gratidão, generosidade, gentileza, contentamento, prosperidade, bençãos!!

    ResponderExcluir
  41. Minha querida amiga, como sempre um texto que me divertiu imenso, apesar de compreender bem a situação, pois também já passei por isso :)
    Assim se pudesse resolver tudo, infelizmente não há turbantes para esconder tantas outras coisas que nos incomodam não é verdade ? ;)

    Amiga Taís, desejo que o seu Ano Novo seja uma sequência de proveitosas realizações e repleto de paz e felicidade!

    Um beijinho com amizade


    ResponderExcluir
  42. Boa tarde querida Tais.
    Vim lhe desejar e ao Pedro e toda familia um maravilhoso 2017 que seja o ano de muita saúde, paz e alegrias para todos. Um enorme abraço.

    ResponderExcluir
  43. Bem amiga, só agora li a tua crónica e pude perceber o tamanho do "susto".
    Vou contar-te o que me aconteceu há uns anos, tinha eu trinta e tal.
    O meu cabelo é liso de nascença e sempre usei até aos ombros. Pois um dia, a cabeleireira de longa data convenceu-me a fazer permanente.
    Sem pensar muito no assunto aceitei o desafio - iria ter caracóis, pela primeira vez na vida.
    Horas depois de muito padecimento, o choque foi brutal quando olhei para o espelho. Sem palavras para responder à pergunta da cabeleireira - Gosta?, acenei que sim, com a minha nova cabeça.
    Chegada a casa e após longos minutos ao espelho, corri para a torneira e lavei tudo. Esperei que secasse e quando voltei a olhar... menina, o susto foi ainda pior.
    No dia seguinte, fui a primeira cliente do salão.
    Quero cortar tudo. Tudo? Sim, mesmo tudo.
    Saí de lá com o cabelo tão curtinho que não acamava, estava todo de pé.
    Quando cheguei ao escritório, o primeiro colega com quem me cruzei perguntou, troçando:
    - O que aconteceu? Adormeceste na cadeira do cabeleireiro?
    - Sim, foi a única maneira de ficar sem "a carapinha".
    - Carapinha? Tu?
    Lá expliquei!
    Depois, entre gracejos recebi piropos e fui esquecendo a "desgraça" da véspera. E acabei por gostar do meu cabelo super curto. Era fácil de tratar e dava-me um ar malandreco. Voltei a cortá-lo anos mais tarde. Não tão curto. Faltou a coragem.
    Pois é Tais, cabelo para a mulher é como diamante - tem de brilhar sempre.
    Beijo.






    ResponderExcluir

SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre Bem-vindos!

2- Comentários ANÔNIMOS não são postados. Assine.

Um abraço a todos!
Taís Luso